«Estamos enterrados numa permanente avalanche de slogans.(...) Tivemos de decorar um monte de slogans para mostrar a nossa lealdade, mas lentamente perderam significado, especialmente depois da fome na década de 90», afirma um opositor à ideologia política, Lee Min-Bok, que fugiu para o sul há 14 anos.