Uma professora universitária, de 46 anos, foi retirada à força de um voo da Southwest Airlines, depois de se ter queixado da presença de dois cães no avião, por ser alérgica aos animais. De acordo com o jornal local Los Angeles Times, Anila Daulatzai acabou mesmo por ser detida.

O incidente, que ocorreu no Aeroporto Internacional de Baltimore-Washington, nos Estados Unidos, foi gravado em vídeo, com um telemóvel.

A passageira pediu que os dois cães fossem retirados, alegando que tinha uma "alergia mortal" aos animais. Contudo, segundo Chris Mainz, porta-voz da companhia aérea, a mulher não tinha nenhum atestado médico que comprovasse a alergia. Posto isso, a tripulação pediu-lhe que abandonasse o avião, mas ela recusou e acabou por ser retirada à força pela polícia.

Bill Dumas, o passageiro que gravou o vídeo, explicou que toda a gente ficou incomodada quando a polícia entrou no avião.

Começou como uma conversa tranquila e, de repente, transformou-se neste confronto físico”, contou, em declarações ao The Times.

O homem de 61 anos acrescentou, ainda, que Anila Daulatzai ofereceu resistência.

As pessoas ficaram, realmente, com a sensação de que os agentes da polícia não tinham outra opção.”

Anila Daulatzai foi detida e acusada de conduta desordenada, desobediência às autoridades e resistência à prisão.

A passageira foi ouvida em tribunal e acabou por ser libertada.  

A Southwest Airlines já emitiu um pedido de desculpas e disse que está muito “desanimada pela forma como a situação se desenrolou”, segundo o Los Angeles Times.

De acordo com as políticas da empresa, é possível garantir que um passageiro que tenha alergias graves fique sentado longe de animais, mas apenas se for a companhia aérea for informada do problema com antecedência. A companhia aérea não pode notificar, antecipadamente, os animais que viajam em determinado voo.