A organização não-governamental (ONG) Amnistia Internacional indicou, esta segunda-feira, que as autoridades iraquianas mantêm sob detenção em condições extremas alegados suspeitos de terrorismo por todo o país, sem capacidade para processar os casos.

De acordo com a AFP, uma delegação do grupo de defesa dos direitos humanos, incluindo o secretário-geral da Amnistia Internacional, Salil Shetty, visitou no sábado um centro de detenção em Amriyat al-Faluja, na zona ocidental de Bagdad.

"Visitámos um centro de detenção em Amriyat al-Faluja... onde encontrámos 700 pessoas, alegadamente suspeitos de terrorismo, confinadas há meses no local", disse Shetty, em Bagdad.

"As condições sob as quais são mantidos são chocantes, há uma pessoa por aproximadamente um metro quadrado, sem lugar para se deitar (...) as latrinas estão no mesmo espaço e eles recebem muito pouca comida", afirmou.

Donatella Rovera, assessora da Amnistia Internacional para respostas a crises, afirmou que o centro, gerido pelas forças antiterroristas iraquianas, tem apenas quatro investigadores para analisar todos os casos.

Amriyat al-Faluja situa-se na província ocidental de Anbar, onde as forças de segurança combatem o grupo extremista Estado Islâmico desde 2014.

As operações militares levaram ao deslocamento de um elevado número de civis na províncias. Milhares de homens sunitas foram detidos sob suspeita de atividades terroristas e mantidos sem qualquer comunicação com o exterior.

"Nenhum foi formalmente acusado. Eles ficam detidos durante meses porque as autoridades locais não têm qualquer capacidade para investigar estes casos", disse Shetty.

"As próprias autoridades afirmam não saber como a maioria destas pessoas acabaram neste centro de detenção e pensam que a maior parte deles é inocente", acrescentou.

A delegação da Amnistia Internacional indicou desconhecer a existência deste centro de detenção ou dos 700 homens ali detidos.

"É um sintoma de um problema maior porque estivemos com 700 deles, mas há muitos, muitos mais lugares destes por todo o país", declarou Shetty.

"É realmente um mau exemplo de como o sistema judiciário não funciona no país", disse.

A Amnistia Internacional defende que o fortalecimento do sistema judiciário devia ser uma das prioridades no Iraque, onde violações diárias dos direitos humanos continuam impunes.