O sistema prisional brasileiro tem mais de 500 mil detidos, população 43 por cento acima da capacidade das cadeias, que enfrentam um problema «crónico» com frequentes relatos de tortura, denunciou hoje a Human Rights Watch (HRW).

O relatório da organização de defesa dos direitos humanos chama a atenção para a sobrelotação e falta de higiene nas celas, que contribuem para a «disseminação de doenças», além do constante abuso por parte de guardas prisionais, incluindo, em alguns casos, «espancamento, asfixia e uso de choques elétricos».

Para a ONG, os atrasos na justiça contribuem para a sobrelotação, uma vez que entre os presos brasileiros há pelo menos 200 mil em prisão preventiva, que ainda aguardam a conclusão dos seus processos.