Uma família inteira, constituída por pai, mãe, dois filhos e a esposa de um deles, viveu durante dois anos reclusa na própria casa por medo. O isolamento desta família da localidade brasileira de Presidente Prudente começou quando um dos filhos começou a ser ameaçado e, de acordo com o portal de notícias G1, só terminou agora porque uma das mulheres está grávida.

A família foi convencida pela polícia militar a deixar a reclusão na última quinta-feira. As autoridades foram alertadas por uma assistente social, que foi contactada por parentes da família.

«São pessoas assustadas, com medo de serem reconhecidas, com medo de alguém estar vendo que eles estavam morando ali ainda», relatou a assistente social.

O medo tinha tomado conta de todos os elementos da família, que passaram a viver de portas e janelas fechadas. A família não saía nem para o quintal, que apresentava sinais de abandono. Na garagem, permanecia um carro parado e a luz da divisão estava acesa noite e dia.

Durante estes dois anos, os cinco elementos da família viveram com a reforma do pai e encomendavam os alimentos num supermercado, que depois os mandava entregar por um estafeta, que também pagava as contas da família.

A família só aceitou sair de casa e ir ao hospital, porque a esposa de um dos filhos está grávida.