Um tribunal no Bangladesh condenou esta segunda-feira a 10 anos de prisão seis responsáveis de uma empresa farmacêutica que desenvolveu um xarope de paracetamol tóxico que matou, segundo fontes médicas, centenas de crianças na década de 1990.

Entre os acusados está Shahjahan Sarker, o diretor da então farmacêutica BCI Bangladesh, empresa que foi entretanto encerrada, e outros cinco diretores e gerentes da companhia.

“Receberam a punição por terem adulterado um xarope de paracetamol usado por bebés”, afirmou o procurador do Ministério Público, Nadim Miah, em declarações à agência francesa AFP, sobre a deliberação do tribunal de Daca.