Se Donald Trump fosse pessoa com problemas capilares, estaria careca de saber que é alvo de troça por parte de meio mundo. E também de grande parte da América. A última patifaria que lhe foi feita consiste num enorme outdoor colocado estrategicamente numa das mais movimentadas autoestradas da cidade de Detroit, no Estado do Michingan.

Num fundo negro, veem-se caracateres em árabe e apenas duas pequenas palavras em inglês: Donald Trump. Por baixo, há depois a indicação de um site, trumpiscared.org, que lido à letra significa que "Trump está com medo".

Quanto ao que está escrito em árabe, e para obviar a que se recorra a um qualquer tradutor na internet, a frase é simples e bricalhona.

Donald Trump. Ele não consegue ler isto, mas tem medo na mesma", é o que está escrito em árabe.

Comité Incómodo

A responsabilidade do outdoor é do Comité Incómodo, um grupo de ativistas que se tem vindo a bater contra a eventual eleição do candidato republicano à presidência dos Estados Unidos.

No caso presente, o enorme cartaz está perto do bairro de Dearborn, onde cerca de 30% da população tem ascendência árabe. Acresce que o Michingan é um daqueles Estados apelidado de swing state, ou seja, dos que habitualmente balança nas eleições entre Democratas e Republicanos.

Uma das mais recentes sondagens dá 43,6% a Hillary Clinton e apenas 37,2% a Trump. Ainda assim, os ativistas do Nuisance Committee não quiseram perder a oportunidade de criticar o republicano pelas posições que tem expressado sobre os árabes. Nomeadamente, quando defendeu que deviam ser impedidos de entrar no país, "até que os nossos dirigentes consigam perceber que raio é que se passa".

Queríamos fazer uma campanha focada na dura retórica de Trumpo face aos imigrantes. Mas quisemos usar o humor para motivar as pessoas. Não queríamos combater a crueldade e a mesquinhez com crueldade e mesquinhez. Quisemos fazer algo diferente", explicou Melissa Harris,porta-voz do Nuisance Committee ao Washington Post.

Objetivos aparentemente conseguidos

Entre os que já viram o cartaz, quiçá milhares ou milhões, há quem se tenha divertido e alcançado a mensagem.

Ri-me. Tive de me rir. Esta é a forma como as pessoas se sentem na comunidade: troçando de Trump. É muito apropriado, considerando o absurdo do que disse sobre os muçulmanos", comentou Dawud Walid, diretor do Conselho de Relações Américo-Islâmicas do Michingan.

Para este dirigente, "Donald Trump tem um pavor face às comunidades que não conhece". E Walid refere ao jornal The Washington Post, não ter ainda encontrado nas ruas de Detroit ou Dearborn, uma só pessoa que vá votar no candidato republicano.

As declarações gerais são de que ele é apenas um fanático racista e não apenas contra as pessoas de fé islâmica, porque também fez comentários contra os latinos e as mulheres", acrescentou.

Ao que se percebe, as iniciativas dos ativistas do Nuisance Committee deverão continuar. Até porque já vinham de longe. Antes deste cartaz, um outro à entrada da cidade de Chicago explorava o caso em que Trump foi apontado como tendo utilizado uma perda de mais de 900 milhões de dólares em 1995 para ficar 18 anos sem pagar impostos.

Se Trump é tão rico, porque é não comprou este outdoor", lia-se então no cartaz.