Uma menina norte-americana de seis anos, gravemente doente, que recentemente perdeu o pai, vai comemorar aquele que é provavelmente o último Natal cercada por milhares de votos de boas festas, após a família ter apelado ao público para lhe proporcionar a «experiência de uma vida em postais de Natal».



De acordo com o jornal britânico «The Independent», Addie Fausett, que sofre de atrofia cerebral e a quem os médicos dão menos de um ano de vida, e a família, sofreram nova tragédia no último fim-de-semana quando o pai de Addie, Nathan, morreu de forma inesperada num acidente.

O estado de saúde de Addie Fausett, que vive em Fountain Green, no estado norte-americano do Utah, tem confundido os médicos que a viram «encolher» para apenas 23 quilos. Além disso, a criança tem cada vez mais dificuldade em falar, mover-se ou brincar com as irmãs, Shayley, de 10 anos, e Audre, de sete.



Em novembro, a família Fausett foi informada que Addie tem apenas um ano de vida. Numa tentativa de proporcionar à criança o «melhor Natal de sempre», a mãe da menina, Tami Fausett, começou a pedir que lhe enviassem cartões de Natal. O pedido que, inicialmente foi feito a familiares e amigos, tornou-se viral e chamou a atenção de pessoas em todo o mundo.

«Ela não pode brincar com outras crianças, então pensámos que se toda a gente lhe enviasse um cartão, poderíamos dizer a todos os amigos dela que lhe proporcionaram um Natal um pouco melhor», disse Tami Fausett ao KSL.

 


A iniciativa, coordenada pela organização Children and the Earth, Inc (As Crianças e a Terra), tem recebido milhares de postais de Natal, enviados tanto por famílias como por indivíduos, não só a partir de outros estados norte-americanos, como de locais tão diversos como as Filipinas ou o Canadá.

«Estamos impressionados com a enorme resposta ao pedido do cartão de Natal, temos cartas provenientes de todo o lado», escreveu no início da semana a avó de Addie no Facebook.


A família também indicou que Addie será sepultada ao lado do pai, cujo funeral foi na quinta-feira.

«Um enorme “obrigado” a cada um de vocês que seguem a jornada de Addie e por todos os cartões de Natal que foram e estão a ser enviados. Eles estão a ajudar as meninas a passar por um momento muito difícil e provocam tantos sorrisos, que por sua vez fazem com que a mãe das meninas também sorria», escreveu ainda a família no Facebook.




A mãe de Addie Fausett referiu que a criança tem passado a vida a fazer exames no hospital e a sofrer desde os três anos. Tami Fausett revelou que os médicos continuam sem saber o que se passa com a criança, com o peso a cair para menos de metade da média esperada para uma criança de seis anos.

«Atrofia cerebral é apenas um sintoma do que está errado, mas ela ainda não tem um diagnóstico», explicou a mãe de Addie Fausett.