A China tinha, no fim de 2016, mais de 230,8 milhões de pessoas com idade superior a 60 anos, o equivalente a 16,7% da população total chinesa, ilustrando as rápidas mudanças demográficas no país.

Dados publicados pelo Ministério de Assuntos Civis chinês indicaram que, entre a população idosa do país, 150,03 milhões têm 65 anos ou mais, o equivalente a 10,8% do conjunto da população.

Um país ou região têm uma sociedade envelhecida quando o número de pessoas com 60 anos ou mais atinge os 10%.

Segundo as Nações Unidas, a China está a envelhecer mais rapidamente do que qualquer outro país. Em 2050, o rácio de dependência, ou seja, a relação entre a população ativa e o número de indivíduos além da idade de reforma, poderá atingir os 44%.

O fenómeno é uma consequência da política de "um casal, um filho", um rígido controlo da natalidade que perdurou no país entre 1980 e o início de 2016.

De acordo com a Xinhua, a agência de notícias estatal, no fim de 2016, a China tinha mais de 140 mil lares de idosos, com um total de mais de 7,3 milhões de camas. No entanto, existem apenas 31,6 camas para cada mil idosos.