Um comboio alemão desaparecido desde a segunda guerra mundial, e que se especula estar carregado de armamento, obras de arte e 300 toneladas de ouro, poderá mesmo ter sido encontrado enterrado perto de Walbrzych, na Polónia.

Depois das primeiras especulações, o ministro-adjunto da cultura da Polónia avançou, esta sexta-feira, que a descoberta pode ser mesmo real.

Um homem não identificado, que ajudou a esconder o comboio há 70 anos, terá indicado a localização dos vagões a um polaco e um alemão, antes de morrer. Os dois homens contrataram depois um advogado, que informou as autoridades, exigindo 10% do que for encontrado.

Análises ao terreno, feitas com um radar, mostram imagens de uma espécie de "silhueta" do comboio, que terá mais de 100 metros de comprimento. O ministro-adjunto da cultura da Polónia, Piotr Zuchowski, admite que não confirma a descoberta a 100%, mas mostrou-se otimista com a possibilidade.
          

"Tenho 99% de certezas que o comboio existe. Vamos ter 100% quando o encontrarmos”, disse em conferência de impresa, segundo o The Guardian.


Lendas locais dizem que o comboio desapareceu quando os nazis tiveram de fugir do exército russo, no final da guerra, escondendo os vagões dentro de um túnel na então cidade alemã de Breslau, hoje Wroclaw, Polónia.

Vários caçadores de tesouros têm procurado o comboio desde essa altura, sem sucesso. Justamente por isso, o advogado dos dois homens responsáveis pela descoberta já compara o comboio ao Titanic.

“Esta é uma descoberta com relevância mundial, como quando encontraram o Titanic”, disse Jaroslaw Chmielewski, à rádio Wroclaw.


O anúncio oficial levou a que várias pessoas tenham visitado o local em busca dos “tesouros” dos nazis, o que já levou as autoridades a alertarem a população para os perigos de escavações, já que o comboio pode estar armadilhado.