Transparência na gestão pública, «poder legislativo do cidadão», direito a voto «real e permanente» e referendos obrigatórios e permanentes para validar todas as legislações estruturais são os lemas de um novo partido espanhol apresentado esta terça-feira.

O movimento cidadão Partido X, cujo programa foi debatido e compilado através de sugestões da «cidadania espanhola», será apresentado esta sexta-feira à noite em Madrid, num evento que os promotores apelidaram «só a cidadania os pode parar».

Simona, uma das participantes do movimento, disse à Lusa que a iniciativa nasce depois de um longo processo de debate da cidadania espanhola num «momento histórico» em que os cidadãos voltam a reivindicar um papel ativo na democracia, como se viu recentemente nas eleições autárquicas em Portugal.

«As eleições de Portugal deram-nos muito mais estímulo», disse à Lusa em Madrid, afirmando que os membros do movimento se consideram «na vanguarda» da atualidade.

«Para nós é o momento histórico da cidadania. Viu-se em Itália, em Portugal e noutros sítios. É um movimento natural, em defesa de outro tipo de democracia. Temos os meios para fortalecer a democracia», considerou.

O programa do Partido ¿ que espera ter listas prontas para as eleições europeias de 2014 - defende que a construção de políticas democráticas deve respeitar uma «sequência lógica» que passa por «informação, elaboração e emendas, voto e veto».

Trata-se, explicam, do «programa de Democracia e ponto final», que foi submetido a debates públicos, emendas e correções entre 29 de janeiro e 18 de março.

«O poder real tem que residir na cidadania e deve basear-se na distribuição do controle sobre o Governo através de múltiplos canais de colaboração, monitorização, participação e decisão», defendem os ideais do Partido X.