Milhares de atenienses responderam no final desta quinta-feira ao apelo do Syriza e do seu líder, Alexis Tsipras, no comício final de campanha na capital da Grécia, a três dias de eleições decisivas.

Tsipras fez um longo discurso, de quase uma hora e pediu aos eleitores gregos uma vitória clara para acabar com a «humilhação nacional» e a austeridade.

«Na segunda-feira, a humilhação nacional vai acabar. Vamos por um fim às ordens estrangeiras Pedimos uma primeira oportunidade para o Syriza, que pode muito bem ser a última oportunidade para a Grécia.»


O líder do partido radical de esquerda referiu-se à chanceler Angela Merkel, garantindo que o Syriza não vai receber ordens do estrangeiro e formar parcerias com os representantes do memorando.

«Não vamos formar uma coligação com os representantes do memorando, Nem com os velhos, nem com os novos. Dêem-nos votos para a estabilidade. Dêem-nos poder para ajudar a Grécia a melhorar» 


No fim ,e para surpresa dos presentes que compareceram à praça Omonia, na baixa de Atenas, apresentou o líder do novo partido espanhol Podemos, Pablo Iglesias, recebido com fortíssima ovação.

«O tempo da esquerda chegou», disse Tsipras.


O líder do partido da esquerda alternativa de Espanha foi breve. Num curto discurso em grego, que agradou aos milhares de apoiantes.

«A mudança na Grécia chama-se Syriza, em Espanha é Podemos, as pessoas estão a falar a mesma linguagem.»


Com uma palavra de ordem final em língua espanhola, Iglesias foi aplaudido em uníssono antes de ser entoada a canção dos partisans italianos «Bella Ciao», o hino popular do Syriza.

 «Até à vitória, Syriza - Podemos, venceremos» disse Iglesias. E despediu-se abraçado ao seu amigo grego.