O Presidente francês, François Hollande, reconheceu, na segunda-feira, que os ensaios nucleares levados a cabo entre 1966 e 1996, na Polinésia francesa, tiveram “impacto” no ambiente e na saúde.

Eu reconheço que os ensaios nucleares realizados entre 1966 e 1996 na Polinésia francesa tiveram um impacto ambiental, provocaram consequências para a saúde”, declarou o chefe de Estado francês, em Papeete.

Este reconhecimento das consequências para a saúde e ambiente dos ensaios era uma reivindicação das associações de defesa das vítimas e dos polinésios.

François Hollande foi mais longe e disse que sem a Polinésia "a França não estaria dotada de armas nucleares e, portanto, da força de dissuasão".

Neste sentido, "o tratamento dos pedidos de indemnização das vítimas dos ensaios nucleares vai ser revisto", anunciou o Presidente francês.