"O mercado global de contentores move-se cada vez mais pelo mundo. Fazer chegar um contentor a qualquer parte do planeta é muito simples e tem um risco mínimo. Pode ser levado para qualquer parte com qualquer mercadoria e uma técnica cada vez mais comum é o "gancho cego", onde empresas legais são infiltradas por organizações criminosas que abrem os contentores e lá inserem a droga para a fazer chegar ao destino", disse o inspetor-chefe do Corpo Nacional de Polícia de Espanha, Marcos Alvar.








"Há certas ilhas, espanholas e de origem portuguesa, que têm posições muito interessantes para que essa mercadoria possa ser desviada por outros meios. Pode chegar num barco ou veleiro e depois ser enviada para a Europa por contentor", disse.










"As marinhas e forças aéreas de Portugal, Espanha, França, Reino Unido, Holanda, Itália, têm participado em ações nas águas cabo-verdianas", disse.