As autoridades da província turca de Gaziantep, que faz fronteira com a Síria, detiveram nos últimos dois meses 19 estrangeiros, sob suspeita de quererem cruzar a fronteira ilegalmente para se juntarem às fileiras do Estado Islâmico.

A informação foi avançada no site da administração da província, numa nota assinada pelo governador, Ali Yerlikaya, e revela que quinta-feira foram detidos dois cidadãos russos e um do Quirguistão, assim como um francês cujo nome figura numa lista de pessoas a quem a Turquia interditou a entrada no país.

A lista em causa, que contém cerca de 12.500 nomes, é elaborada mediante uma colaboração dos serviços secretos da Europa, de acordo com o ministro turco dos Assuntos Europeus, Volkan Bozkir, e inclui o nome de suspeitos de querer unir-se aos jihadistas.

Na quarta-feira, a polícia de Gaziantep deteve, sob a mesma suspeita, dois cidadãos líbios, também prestes a cruzar a fronteira ilegalmente.

Todos foram entregues à Polícia de Estrangeiros para ser deportados para os seus países de origem.

A mesma decisão foi tomada em relação a 13 indonésios detidos na mesma província a 29 de janeiro, mas como uma mulher, detida junto com a família, estava grávida de 36 semanas, não podendo viajar, ficou no país até dar à luz.

Nas últimas semanas, tem aumentado o número de detenções de supostos combatentes estrangeiros que tentam juntar-se ao grupo extremista Estado Islâmico passando através da Turquia.

De acordo com dados fornecidos quinta-feira pelo ministro turco dos Assuntos Europeus, a Turquia já deportou por este motivo 1.500 cidadãos de países membros da União Europeia.