A marca H&M pediu desculpa pela publicação de uma fotografia, no seu site oficial, de uma criança negra com uma camisola verde onde se pode ler: "Coolest Monkey in the Jungle" (O macaco mais fixe da selva). O anúncio provocou polémica com algumas pessoas a denunciarem a situação como inapropriada e negligente. 

A imagem do modelo com a camisola verde foi retirada do site oficial da marca sueca, mas a empresa manteve fotografias semelhantes, com crianças brancas a poderem ser vistas com outras camisolas. Nas camisolas podia ler-se: Mangrove jungle  e Official survival expert. 

A situação gerou uma onda de críticas nas redes sociais. A modelo e bloguer Stephanie Yeboah, utilizou o twitter para comentar a polémica.

 

O produtor musical, Alex Medina, escreveu nas redes sociais: "Em 2018, não há espaço para as marcas e os diretores de arte serem negligentes. Se olhares para outras camisolas da mesma categoria, percebes que eles têm filhos brancos. Nós temos de fazer melhor."

Uma porta-voz da marca pediu desculpa: "A imagem foi removida de todos os canais H&M e pedimos desculpa a todas as pessoas que tenhamos ofendido".

Esta não é a primeira falha em publicidade de marcas mundiais. Em 2014, a marca espanhola Zara, foi obrigada a retirar a venda de um pijama de marinheiro infantil com o desenho de uma estrela amarela. A imagem causou polémica, na altura, devido à estrela ser muito semelhante à imposta pelos nazis aos judeus..