já lidera as sondagens em EspanhaO que também se ouve em PortugalTVI24


«O populismo alude normalmente ao que mente, ao que engana, que diz às pessoas o que querem ouvir, que em campanha se mascara para parecer algo que não é. Em Espanha, vimos um candidato do PP, que é um milionário, vestido de agricultor e num trator, para parecer um homem comum. O secretário-geral do PSOE aparece de camisa, mangas arregaçadas, e põem-no a andar de transportes públicos, para parecer uma pessoa normal. Os que fazem isto, não nos chamem de populistas. Sempre fomos muito sérios na hora de apresentar propostas concretas».




«Habituámo-nos a que a política seja um espaço de mentirosos e hipócritas e que não haja ninguém a fazer política pela dignidade das pessoas. Mas este não é um conceito vago, concretiza-se em políticas concretas».


A reestruturação da dívidaAcabar com os paraísos fiscaisreforma fiscal

Definir um rendimento mínimo

«Imaginemos um rendimento de 600 euros por mês. Dizem que, se as pessoas receberem isso, não vão trabalhar. A quem diz isso, proponho que, durante um ano, ganhem 600 euros por mês sem trabalhar».


salário máximo

«Os países do Norte, os países mais eficazes, mais prósperos, são os países menos desiguais. Cada vez somos países mais desiguais, onde os ricos são mais ricos e os pobres mais pobres. Devemos dizer aos ricos para ganharem um pouco menos, apertarem um pouco o cinto. Os únicos que se esforçam, nas situações difíceis, são os que estão em baixo. É melhor que sejam os de cima, por patriotismo nacional, a esforçar-se um bocado».




lei que proíba todos os Presidentes da República e ministros de passarem depois para os conselhos de administração de «empresas estratégicas»

«Não estou a dizer que não podem trabalhar. Podem, como qualquer pessoa. Com um horário de 8 horas, a receber um salário. Agora, vão para uma empresa de energia, vão a uma reunião por mês e recebem valores escandalosos ao ano. Toda a gente sabe que os contratam não por serem grandes estrategas das finanças, mas porque têm uma agenda de telefones e contactos, que têm graças ao cargo público que exerceram».



«Seria duro nisto, pelo que já vi. Dois ex-presidentes do governo espanhol, José Maria Aznar e Felipe Gonzalez, estão em conselhos de administração de empresas energéticas. No ano passado, centenas de milhares espanhóis tiveram a luz cortada porque não a podiam pagar. É uma humilhação aos cidadãos».







«A geração mais qualificada está a ir para fora. A sociedade fez um esforço enorme para eles estudarem nas universidades e eles têm que ir. As melhores cabeças, os melhores jovens, têm que emigrar. Quem sobe na carreira? Os sem vergonha, os que estão perto do poder, os que têm amigos, não os melhores. Sobem os mais cobardes, como na política, e destrói-se o mérito».



«Explicaria, como democrata, que entendo que seria razoável que, se quer ser chefe de Estado, se apresentasse a eleições. Gostaria que os cidadãos do meu país pudessem tomar a decisão votando e, quem sabe, porque Filipe tem muito prestígio na sociedade, o elegeriam. Mas, numa democracia, o chefe de Estado tem de passar pelas urnas e não por questões hereditárias.


o elegeram secretário-geral com grande maioria

«Tenho uma imagem que dá que falar e não sei até que ponto isso é bom. Disseram-me: falam-se que vais de sapatilhas, fala-se da tua camisa, do teu cabelo. Tirar o piercing foi uma forma de não falarem disso e de se concentrarem no que digo. Às vezes, em política, há que dar mensagens. Se for a um funeral de um amigo de uma família muito religiosa, também me visto de preto para não ofender a família».


O problema está entre os de cima e os de baixo