"As minhas obrigações como aspirante da presidência do meu país não me permitem manter por mais tempo o meu nível de trabalho e de implicação nas atividades do Parlamento”.

O líder de Podemos é o quarto eurodeputado da formação que renuncia ao cargo para se centrar na política espanhola.

O partido Podemos sofreu uma grande queda nas sondagens dos últimos meses e viu-se superado pelo partido Ciudadanos, a outra formação que quer romper o tradicional bipartidismo da política espanhola.

Pablo Iglesias despediu-se do seu cargo como eurodeputado com uma intervenção perante o grupo de trabalho e criticou duramente populares e socialistas e instou a uma mudança de política para ajudar os refugiados a deixar de “destruir a dignidade da europa”.

“Os europeus não podem esquecer o que significa uma guerra, o horror e a pobreza e ter que fugir, e não podemos humilhar essa gente, porque isso é humilhar a Europa. Volta para o meu país para que não continue a haver em Espanha gente como vocês. (…) A crise dos refugiados não se resolve com arame farpado, com polícia, resolve-se com uma política responsável.”

O partido de Pablo Iglesias surpreendeu nas eleições de maio de 2014, quando conseguiu mais de 1,2 milhões de votos e cinco eurodeputados, meses depois da sua formação.

“Saímos a ganhar para recuperas as instituições e coloca-las ao serviço da cidadania”, afirmou o líder do Podemo.