Um homem com poucos recursos económicos tomou uma decisão que está a ser noticiada em todo o mundo: o indiano Dana Manjhi perdeu a mulher, vítima de tuberculose, que estava internada num hospital a 60 km de casa, e transportou o seu corpo nos ombros durante vários quilómetros até ser ajudado.

Depois de, alegadamente, a unidade hospitalar se ter demarcado da responsabilidade em transportar o cadáver, Dana pôs-se a caminho e percorreu 10 km até os habitantes de uma localidade chamarem um jornalista local que reportou o caso e conseguiu ajudar o viúvo.

Sob um clima quente e húmido, Dana Manjhi, acompanhado pela filha de 12 anos, transportou o corpo da mulher enrolado num cobertor.

Pai e filha estavam a cerca de 50 quilómetros de casa quando os habitantes de Odisha alertaram um jornalista para a situação.

O repórter televisivo Ajit Singh encontrou os protagonistas e gravou um vídeo que foi partilhado noutros meios de comunicação social nacionais.

Estou a carregar o corpo da minha mulher porque sou pobre e não posso pagar o transporte. Eu disse o mesmo às autoridades hospitalares. Eles disseram que não podiam oferecer ajuda”, contou Manjhi no vídeo.

O resto do transporte acabou por ser feito por um carro da estação televisiva.

No entanto, o hospital alega que Dana Manjhi é que recusou ajuda e exigiu receber a mulher e abandonar as instalações hospitalares.

"Ninguém soube quando o marido carregou a mulher para fora do hospital”, disse Jaghu Lal Agarwal, diretor de serviço do hospital de Kalahandi.

O governo indiano já ordenou a abertura de um inquérito ao sucedido.