Centenas de colombianos reuniram-se nesta segunda-feira na Plaza de Bolívar, em Bogotá, para comemorar e acompanhar por ecrãs a assinatura do acordo de paz entre o Governo e a guerrilha das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Após mais de 30 anos de conflito, os colombianos celebraram o acordo vestidos de branco, com as caras pintadas de amarelo, azul e vermelho (cores da bandeira do país), acessórios típicos, como o “sombrero volteado” (chapéu colombiano), e cartazes e bandeiras de partidos políticos e em defesa do “Sí” ("Sim"), referindo-se ao voto no plebiscito que ocorrerá no próximo domingo, no qual a população deverá ratificar ou não o acordo.

Quero que os meus filhos vivam num país em paz”, disse à agência Lusa a dona de casa Paola Bogotá, 23 anos, com o Thomás, de 1 ano, no colo. “Hoje é um dia histórico para nós”, acrescentou.

Acordo deve garantir justiça para as vítimas, alerta a Amnistia Internacional

O êxito do histórico acordo de paz depende da capacidade das autoridades de garantirem compensação para milhões de vítimas do conflito, alertou a Amnistia Internacional.

Hoje será, com bons motivos, um dia de celebração na Colômbia. As autoridades devem agora garantir que este feito histórico não sofre nenhum descrédito”, afirmou Erika Guevara-Rosas, diretora para as Américas da organização não governamental de defesa dos direitos humanos.

Para isso, devem assegurar-se “de que todos os responsáveis pelos horrendos crimes de direito internacional cometidos contra milhões de pessoas ao longo de mais de meio século são levados à justiça”.