As regiões de Paris e Ilha de França estão em alerta máximo, depois do atentado terrorista contra o jornal satírico «Charlie Hebdo», esta quarta-feira.

De acordo com o ministro da pasta do interior francês, Bernard Cazeneuve, o primeiro-ministro, Manuel Valls, deu indicações para que o plano Vigipirate, sistema de alerta criado no país em 1978, fosse elevado ao nível «Atentados».

Segundo Cazeneuve, a polícia e militares foram mobilizados não só para reforçar a segurança e proteção em todo o território, mas também para «neutralizar tão rapidamente quanto possível os três criminosos que cometeram este ato bárbaro», que matou 12 pessoas, entre elas dois polícias, o diretor da publicação e três caricaturistas.

Os autarcas de todos os departamentos franceses estão a tomar «todas as precauções» em gares transportes, instituições de culto e instituições públicas.