A Uber em França decidiu suspender, esta sexta-feira, o serviço UberPop após a detenção de dois responsáveis europeus da empresa. 

O UberPop permite que qualquer pessoa possa utilizar o próprio carro para transportar passageiros, o que originou a revolta, por vezes agressiva, dos taxistas franceses. Este serviço também já tinha sido denunciado como ilegal.

A empresa californiana "decidiu suspender imediatamente o UberPOP em França, enquanto aguarda a decisão do Conselho Constitucional sobre o serviço, que deverá ser feita em setembro", anunciou em comunicado citado pela agência France Presse. 


O diretor-geral da Uber em França, Thibaud Simphal explicou ao "Le Monde" que a empresa tem como objetivo um “espírito de conciliação, de diálogo com as autoridades e de mostrar que tem em conta as responsabilidades”.

Thibaud Simphal e o líder da Uber na Europa ocidental, Pierre-Dimitri Gore-Coty, vão ser julgados a 30 de setembro pelos crimes de “práticas comerciais enganosas”, “serviço de táxi ilegal” e de “armazenamento de dados pessoais de forma ilícita”.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, congratulou-se com o anúncio, dizendo que é "uma demonstração de que a firmeza do Governo deu resultado".

O serviço UberPop não está disponível em Portugal. No entanto, em França estão inscritos cerca de 10 mil condutores ocasionais.