O Presidente da Ucrânia declarou esta segunda-feira que os responsáveis pelos confrontos mortíferos em Kiev merecem ser severamente punidos, classificando a violência como "uma facada nas costas".

"Foi um ato anti-ucraniano pelo qual todos os seus organizadores, sem exceção - todos representantes das forças políticas - devem ser severamente punidos", disse Petro Poroshenko, numa intervenção transmitida pela televisão.


Pelo menos 100 polícias e militares terão ficado feridos na sequência de uma explosão durante confrontos com manifestantes junto ao parlamento em Kiev, na Ucrânia, nesta segunda-feira, segundo fonte oficial do Governo, AFP.

Um elemento da Guarda Nacional da Ucrânia morreu na sequência dos ferimentos causados pelos disparos, segundo o assessor do ministro do Interior Arsen Avakov.

O parlamento da Ucrânia aprovou hoje em primeira leitura a polémica reforma constitucional que dá mais autonomia aos territórios separatistas do leste, enquanto, no exterior, um protesto contra a reforma degenerou em confrontos com a polícia.