"Deve o Reino Unido continuar a ser membro da União Europeia?". É esta a pergunta a que os britânicos terão de responder sim ou não, anunciou esta quinta-feira o governo de David Cameron. Ao mesmo tempo, as autoridades britânicas lançam um repto à União Europeia, dizendo que os parceiros precisam de alterar os seus tratados fundadores para que o Reino Unido permaneça no euro. O repto foi lançado esta quinta-feira pelo ministro britânico das Relações Exteriores. 

Philip Hammond afirmou à BBC que Londres tem de chegar a um acordo substancial para persuadir os eleitores a permanecer no bloco europeu.
 
 "Se os nossos parceiros não concordarem connosco, não trabalharem connosco" aí é que as coisas se vão complicar, admitiu. "O conselho que estamos a receber é que vamos precisar de mudar os tratados". 

O responsável mostrou-se confiante, no Twitter, em conseguir negociar um pacote substantivo de reformas europeias a favor do povo britânico:
   
 
O primeiro-ministro David Cameron começa hoje um périplo de dois dias pelas capitais europeias, numa tentativa de convencer os outros líderes da UE a apoiar o seu plano de reformas.

Compromete-se a reformular os laços da Grã-Bretanha com a União Europeia antes de pôr nas mãos dos eleitores a escolha do rumo da nação, no máximo até 2017. A realização de um   referendo sobre o assunto era uma promessa eleitoral, que anunciou que iria cumprir, mal ganhou as eleições este mês.