A China condenou à morte, na quarta-feira, o líder de uma empresa estatal, por crimes de corrupção envolvendo 400 milhões de yuan (52 milhões de euros).

A sentença decorre da campanha anticorrupção levada a cabo pelas autoridades do Partido Comunista desde que Xi Jinping subiu à presidência do país.

Apesar de a China executar mais pessoas do que todos os outros países do mundo juntos, de acordo com as organizações de direitos humanos, é muito raro que uma pena capital seja aplicada a um dirigente governamental.

Um tribunal de Cantão condenou Zhang Xinhua, antigo líder da Companhia Industrial e de Agricultura Baiyun, por corrupção e fraude, de acordo com a agência Xinhua.

Zhang foi considerado culpado de desviar da empresa montantes no valor de 280 milhões de yuan (36 milhões de euros) desde 2003.

Também aceitou subornos de cerca de 95 milhões de yuan (12 milhões de euros) em troca de favores, diz a agência.

A condenação de Zhang surgiu no mesmo dia em que Liu Tienan, antigo vice-diretor da Comissão Nacional para o Desenvolvimento e Reforma, a principal agência de planeamento económico do país, foi condenado a prisão perpétua, também por corrupção.