Um novo tratamento pode ter curado um homem britânico que tinha sido diagnosticado com cancro de pele já em estado avançado. Ao homem de 64 anos tinham sido dados apenas alguns meses de vida, mas este novo medicamento, o Pembrolizumab, terá curado o paciente.

Os médicos não estão ainda certos de que tenha sido o novo medicamento a causa definitiva da cura de Warwick Steele, mas também não têm outra explicação.

O médico de Warwick afirmou que os resultados obtidos na aplicação experimental deste novo medicamento, podem revolucionar o tratamento do cancro.

Foi testado em melanoma, um dos piores tipos de cancro de pele e com menos esperança de vida para os pacientes afectados.

Menos de 70% dos 411 doentes a usar o Pembrolizumab continuaram vivos um ano após iniciarem o tratamento experimental: um resultado considerado notável. Antes todos tinham um estado avançado do melanoma e diagnósticos muito negativos.

As estatísticas de sobrevivência, para doentes sem tratamento durante um ano, com melanoma avançado (grau 4) é de 10% para homens e 35% para mulheres.

O homem britânico submeteu-se a seis meses de tratamento com pembrolizumab injectado na corrente sanguínea. Os médicos ficaram espantados quando o seu tumor tinha quase desaparecido ao fim de três meses, não havendo também indícios de que pudesse regressar.

O médico, Dr. David Chao, oncologista do Royal Free Hampstead NHS, em Londres, não pode afirmar que o paciente se tenha curado por se submeter ao pembrolizumab, mas afirma que ele está muito bem.

Para os clínicos, este novo medicamento pode ser a nova esperança na cura do cancro, inclusive para cancros mais difíceis de tratar, como o cancro do pulmão. Pembrolizumab é um anti-corpo sintético que bloqueia uma célula, a PD-1, usada pelo cancro para atacar o sistema imunitário.

Os resultados deste novo medicamento foram apresentados na reunião anual da Sociedade Americana da Clínica Oncológica, em Chicago. Dos pacientes que se submeteram a este novo tratamento, 72% revelaram diminuição do tumor, 39% dos quais diminuíram para menos de metade do tamanho.

Pembrolizumab é fabricado pela companhia Merck Sharp and Dome, que espera pedir à Europa licença para começar a distribuir o medicamento em alguns meses. A FDA (entidade americana reguladora dos medicamentos) pediu prioridade na avaliação deste novo medicamento. A agência procura a aprovação do tratamento em 6 meses em vez dos 10 meses habituais. Se assim for, a decisão para a distribuição de pembrolizumab é tomada em meados de Outubro de 2014.