O Instituto para a Economia e Paz divulgou o relatório de 2016 do Índice Global da Paz, que desde há 10 anos indica quais são os países mais pacíficos do mundo. O relatório reflete o ano de 2015, com as nações europeias novamente em maioria nos primeiros 20 lugares.

Os países são classificados numa escala de 1 a 5, na qual o número mais baixo representa um maior estado de paz. As nações são avaliadas por 23 variáveis, entre as quais estão o acesso a armas, número de homicídios, perceção de criminalidade, número de forças de segurança, crime violento e impacto do terrorismo. A avaliação faz-se a partir do resultado, traduzido num único número, que quanto mais baixo, se refletirá numa melhor posição no ranking.

A maioria das nações do top 10 são europeias, enquanto a maioria dos últimos dez lugares da tabela são ocupados por países do Médio Oriente e África.

No top 5 estão a Islândia (1.º) Dinamarca (2.º), Áustria (3.º), Nova Zelândia (4.º) e Portugal (5.º). No final da tabela estão a Somália (159.º), Afeganistão (160.º), Iraque (161.º), Sudão do Sul (162.º) e Síria (163.º).

Portugal subiu nove posições em relação a 2014, estava em 14.º, conseguindo um total de 1.356. Por exemplo, o último lugar da tabela, a Síria, teve 3.806.

No entanto, no geral, o mundo como um todo está hoje menos pacífico do que há dez anos. Na última década o número de vítimas dos conflitos duplicou, alcançando em 2015 os 60 milhões.

O terrorismo é um dos responsáveis pelo aumento no número de mortes, e pelo aumento da insegurança no globo. O Índice Global da Paz (IGP) registou um aumento de 80% de atos terroristas em relação a 2014, com apenas 69 dos 163 países a não registarem pelo menos um ataque terrorista.

Os autores do estudo ressalvam, porém, que as zonas do mundo responsáveis por este aumento são, principalmente, o norte de África e Médio Oriente. A violência em países como a Síria e Iraque é tão significativa que influenciam os restantes, não fossem estas zonas e o índice teria melhorado nos últimos anos.

Toda a violência tem, também, um impacto económico. O centro de estudos estima que em 2015 os conflitos tenham custado 13.6 biliões de dólares (quase 12 biliões de euros), 13,3% do PIB mundial.

As nações mais pacíficas do mundo:

1.º Islândia;

2.º Dinamarca;

3.º Áustria;

4.º Nova Zelândia;

5.º Portugal;

6.º República Checa;

7.º Suíça;

8.º Canadá;

9.º Japão;

10.º Eslovénia;

(...)

153.º Paquistão;

154.º Líbia;

155.º Sudão;

156.º Ucrânia;

157.º República Centro Africana;

158.º Iémen;

159.º Somália;

160.º Afeganistão;

161.º Iraque;

162.º Sudão do Sul;

163.º Síria.