O parlamento da Hungria aprovou esta terça-feira uma nova série de impostos indiretos, que vão afetar as empresas estrangeiras mas também o quotidiano dos húngaros, no seguimento de várias taxas especiais introduzidas desde 2010.

Uma nova «taxa sobre o sabão» e uma extensão da «taxa sobre as batatas fritas» estão entre as medidas aprovadas, enquanto a “supertaxa” sobre as receitas publicitárias dos meios de comunicação social, vista como um ataque à cadeia televisiva privada RTL Klub, viu a sua taxa marginal passar de 40% para 50%.

No dia seguinte a mais uma manifestação antigovernamental em Budapeste, o pacote fiscal foi aprovado por 128 votos contra 30, num parlamento largamente dominado pelo partido conservador Fidesz, do primeiro-ministro populista Viktor Orban. Os votos contra foram dos deputados do partido de extrema-direita e do ecologista LMP. A oposição de esquerda recusou participar na votação.