atentado no Bataclan

O rapaz de origem chilena estava na sala de espetáculos com a mãe, Elsa Delplace Verónique, de 34 anos, e com a avó, Patricia San Martin, de 61, quando os tiroteios começaram.

De acordo com o The Independent, para proteger Louis, as mulheres colocaram-se à sua frente e os seus corpos serviram de escudo. As balas disparadas na direção do menino mataram mãe e avó, deixando-o coberto de sangue.

 

“Pelo que nos foi dito, quando o rapaz ouviu os tiros, escondeu-se. Uma mulher encontrou-o na rua e ele estava são e salvo, sem um arranhão”, contou Maria Eliana San Martin, irmã da avó de Louis, citada pelo L’Express.

Um amigo de Elsa Delplace fez-lhe um tributo, publicado na revista francesa Le Point.

 

“Elsa Delplace e a sua mãe, Patricia, morreram na sexta-feira, sob uma chuva de balas, dentro do Bataclan.

O seu filho Louis, o seu raio de sol, estava com ela. Louis foi encontrado no hospital Vincennes, perturbado e coberto com o sangue da mãe, porque ela tentou protegê-lo das balas.

Elsa era uma pessoa alegre, que tinha sempre um sorriso nos lábios. Mesmo em momentos difíceis. Estava envolvida em mundos artísticos, culturais e de voluntariado. Ela tocava violoncelo de forma brilhante.

Sempre lutou contra a injustiça. Penso que já era algo de família - a mãe chilena fugiu da ditadura de Pinochet”.

A mãe a avó de Louis foram duas das 129 vítimas dos atentados do dia 13 de novembro, em Paris.