"Nós sabemos, é preciso não esquecer, há o risco da utilização de armas químicas ou bacteriológicas"








"Estamos em guerra! Uma guerra nova - externa e interna - onde o terror é o primeiro objetivo e a primeira arma"


"O que é novo são os procedimentos: as maneiras de causar estrondo, de matar continuamente. A imaginação macabra dos cabecilhas do terrorismo é ilimitada: fuzilamentos, decapitações, bombas humanas, facas, ou ambos, perpetrados por indivíduos ou comandos, desta vez especialmente organizados"




  "Face à ameaça, tornaremos o estado de emergência mais eficaz: detenções domiciliárias, buscas e encerramento de mesquitas radicais"