O movimento radical palestiniano Hamas condenou o atentado contra o jornal satírico «Charlie Hebdo» que causou a morte a 12 pessoas em Paris.

O Hamas «condena as agressões contra o jornal Charlie Hebdo e insiste que a diferença de opiniões e de pensamento não podem justificar o assassinato», refere em comunicado o grupo radical palestiniano, citado pela France Press (AFP).

O movimento procura também, com este comunicado, responder às acusações do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que recentemente disse que França, Israel e os «países civilizados» têm feito face à mesma ameaça.