Um tribunal paquistanês anunciou, esta quinta-feira, ter condenado a prisão perpétua dez homens acusados de estarem ligados ao ataque que quase roubou a vida a Malala Yousafzai, em 2012.

A informação está a ser avançada pela BBC e pela France Press. De acordo com as autoridades, os condenados são suspeitos de pertencerem aos talibãs paquistaneses.


 

“Dez atacantes que estiveram envolvidos no ataque a Malala Yousafzai foram condenados a prisão perpétua”, disse um responsável do tribunal à agência France Presse.


A informação foi confirmada por um advogado presente na audição.

O ataque a Malala aconteceu a 9 de outubro de 2012 na aldeia de Swat, quando seguia no autocarro que a transportava à escola, juntamente com outros colegas.

Foi atingida com duas balas, uma no pescoço e outra na cabeça. Quase perdeu a vida, mas sobreviveu e tornou-se um símbolo para o mundo na luta pelos direitos das mulheres e das crianças. 

Em outubro de 2014 recebeu o Nobel da Paz. Tinha 17 anos. Foi a primeira paquistanesa galardoada e a mais jovem da história do Nobel.