Cerca de 900 mulheres morreram em 2013 no Paquistão vitimadas pelos designados crimes de honra, geralmente praticados por familiares, refere um relatório publicado esta quinta-feira pela Comissão de Direitos Humanos (HRCP) do país asiático.

Os 869 casos documentados pela comissão aproximam-se dos 913 denunciados em 2013 e dos 943 de 2011, e comprova a passividade oficial para combater esta prática, que ilustra a profunda discriminação face às mulheres nesta região do mundo.

«Este género de crimes persiste devido à impunidade concedida aos assassinos», afirma o documento do HRCP, ao considerar que a tradição islâmica de permitir a absolvição dos agressores caso sejam perdoados pela família da vítima protege quem pratica os crimes.