A jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai, nomeada para o Nobel da Paz, diz que ainda não fez o suficiente para merecer o prémio, precisamente um ano depois de ser alvejada na cabeça por talibãs.

A adolescente de 16 anos foi vítima de um tiro na cabeça, disparado por talibãs paquistaneses, a 9 de outubro do ano passado, por falar contra aqueles radicais islâmicos. Desde então, Malala tornou-se uma embaixadora global do direito à educação para todas as crianças.

A jovem que já discursou perante as Nações Unidas está entre os finalistas ao Prémio Sakharov, que é anunciado na quinta-feira, e na sexta-feira sabe se ganhou o Prémio Nobel da Paz.

Numa entrevista à estação de rádio paquistanesa City89 FM, Malala falou do seu desejo de fazer mais pela promoção da educação e disse que ainda não fez o suficiente para merecer o Nobel.

«Há muitas pessoas que merecem o Prémio Nobel da Paz e eu penso que ainda preciso de trabalhar muito. Na minha opinião, ainda não fiz assim tanto para ganhar o Prémio Nobel da Paz», disse.