O papa Francisco disse esta quinta-feira que o atentado contra a revista francesa «Charlie Hebdo» foi um ato de «crueldade humana» e pediu orações pelas vítimas.

«O atentado de ontem (quarta-feira) em Paris faz-nos pensar na grande crueldade humana. No terrorismo, nos atos isolados e no (terrorismo) de Estado», disse Francisco.

«O homem é capaz de tanta crueldade», referiu o papa, na tradicional missa da manhã no Vaticano, antes de pedir uma oração pelas vítimas do ataque contra a revista francesa.

O papa Francisco pediu também para os católicos rezarem «pelos cruéis, para que o Senhor lhes mude o seu coração».

Francisco expressou na quarta-feira uma «firme condenação pelo horrível atentado que semeou morte» juntando-se à consternação da sociedade francesa.

Através de um comunicado, o porta-voz do Vaticano, Frederico Lombardi, informava que o papa rezava «pelo sofrimento dos feridos» e pelas famílias dos 12 mortos.

O papa Francisco manifestou-se também contra a «difusão do ódio e a qualquer forma de violência física e moral» que possam destruir a vida, violar a dignidade, atingindo radicalmente a convivência pacífica entre as pessoas e os povos.

Segundo o gabinete de imprensa do Vaticano, o papa endereçou os pêsames às famílias das vítimas do atentado unindo-se «à dor e à tristeza de todos os franceses».

O ataque de quarta-feira contra a redação da revista Charlie Hebo foi o mais sangrento atentado ocorrido em França nos últimos 50 anos, causando 12 mortos, entre os quais oito jornalistas e dois polícias.