Uma dezena de refugiados africanos sentou-se, nesta quarta-feira, ao lado do Papa Francisco durante a audiência geral semanal na praça de São Pedro.

Os refugiados sentaram-se no chão, cinco de cada lado, segurando nas mãos pequenas bandeiras do Estado do Vaticano.

Hoje estou acompanhado por estes rapazes. Muitos pensam que era melhor se ficassem na terra deles, mas ali havia demasiado sofrimento. São os nossos refugiados, mas são excluídos por muitos. Por favor, são nossos irmãos. O cristão não exclui ninguém, há lugar para todos", disse o Papa, indicando os africanos.

Francisco mostrou-se sempre muito sensível perante a crise dos refugiados na Europa, que qualificou como a "pior catástrofe humana desde a Segunda Guerra Mundial".

Recorde-se que o Papa já visitou as ilhas de Lampedusa (Itália) e, mais recentemente, Lesbos (Grécia), símbolos do drama da migração para a Europa.

Além disso, na sexta-feira passada, nove sírios, entre os quais dois cristãos, que estavam em Lesbos, chegaram a Roma por iniciativa de Francisco. Este grupo de refugiados junta-se aos 12 que viajaram com o Papa na sequência da visita a Lesbos, a 16 de abril.