O Papa Francisco assinou um decreto, esta quinta-feira, que visa a transparência e a fiscalização dos processos de beatificação e canonização. A medida chega após a revelação de documentos que descrevem alegados abusos nestes procedimentos.

Francisco quer acabar com a alegada corrupção nestes processos, que supostamente favorecem as dioceses e os países mais ricos, bem como criar um fundo de solidariedade para os países com menos recursos económicos, noticia a Reuters.

Os documentos revelam que houve milhares de euros doados para a causa dos santos. Segundo estes, cada processo de beatificação custaria, em média, 500.000 euros, processos que foram conduzidos por apenas meia dúzia de firmas, responsáveis pela averiguação das ações dos candidatos concorrentes a beatos ou santos e que tratavam dos processos legais, de acordo com a AP.

As novas regras impõem uma auditoria externa às contas para perceber se o dinheiro doado para os processos de beatificação está efetivamente a ser canalizado para essas causas, segundo a Associated Press. A partir de agora, todo o dinheiro doado para um processo de beatificação ou canonização tem de ser depositado. Tem de haver registo de tudo.

O decreto, composto por 21 artigos, também exige um acompanhamento permanente do processo desde que começa na diocese local até chegar ao Vaticano.