No México, 250 mil pessoas participaram este domingo em Ecatepec, numa missa em que o Papa Francisco voltou a criticar o crime organizado. Ecatepec fica num subúrbio da capital e é uma das cidades mais violentas do país.

Depois de mais um mergulho entre a multidão, nas ruas da cidade do México, Francisco trocou o Papa Móvel por um helicóptero. Num curto voo, o líder da Igreja Católica rumou a Norte, até Ecatepec. Uma cidade subúrbio da capital, com mais de um milhão e meio de habitantes e outros tantos problemas sociais.  

Ecatepec é uma das cidades mais pobres e mais violentas de um país onde o narcotráfico matou mais de 100 mil pessoas na última década e fez desaparecer 26 mil. Uma ferida em que Francisco tem posto o dedo nesta viagem com recados às autoridades políticas, mas também religiosas, como fez este sábado no encontro com os bispos mexicanos, a quem apelou a um espírito de denúncia destes problemas.

Seja à frente de bispos ou do presidente do país, Francisco tem denunciado desde a corrupção endémica ao narcotráfico. Um cancro, que corrói o México, nas palavras do argentino.

Com um roteiro de viagem apontado à face mais problemática do país, esta é uma visita pastoral de um Papa que com uma mão acena e na outra carrega a doutrina social da Igreja.