O papa Francisco apelou este domingo aos 19 cardeais que nomeou no sábado para caminharem para a santidade e evitarem «hábitos cortesãos», como as «intrigas, mexericos e favoritismos», durante uma missa no Vaticano.

Um cardeal «entra na Igreja de Roma, não entra numa corte», preveniu Francisco, durante a missa que celebrou na basílica de São Pedro, em Roma, ao lado dos novos cardeais nomeados na véspera.

Na sua homilia, o papa insistiu que os novos cardeias devem praticar um «suplemento» de santidade.

«Amemos os que nos são hostis, abençoemos os que dizem mal de nós, saudemos com um sorriso os que provavelmente não o merecem, não aspiremos a fazer-nos valer, mas oponhamos a doçura à tirania, esqueçamos as humilhações sofridas», aconselhou Francisco.

O pontífice, que escolheu residir fora dos apartamentos oficiais do Vaticano para viver em maior simplicidade, pediu recentemente aos fiéis que se abstenham de «bisbilhotice» após a missa.

Hoje insistiu que Jesus não veio ao mundo «para nos ensinar boas maneiras, modos corteses».

«Para isto não era necessário que descesse do céu e morresse na cruz. Cristo veio para salvar-nos, para mostrar-nos o caminho, o único caminho para sair das areias movediças do pecado, e esse caminho é o da misericórdia», disse, salientando que «ser santo não é um luxo, é necessário para a salvação do mundo».

O papa presidiu a esta celebração ao lado de cerca de 150 cardeais, que se reuniram no Vaticano para um consistório extraordinário de dois dias sobre o tema da família e de um consistório ordinário para a proclamação de novos cardeais.

Muitos dos novos cardeais são provenientes de cidades «periféricas», desde Ouagadougou (Burkina Faso), Abidjan (Costa do Marfim), do Haiti, de Cotabato, nas Filipinas, de Manágua (Nicarágua), Castries (Santa-Lúcia, nas Antilhas), a Perugia, no centro de Itália.

Dezasseis dos novos cardeais têm menos de 80 anos e entram no Sagrado Colégio, podendo ser eleitores em caso de um Conclave para eleger um novo papa, e três outros são novos cardeais eméritos sem direito de voto, por terem mais de 80 anos.

O Colégio Sagrado agora tem 218 cardeais, incluindo 122 eleitores.