O Papa Francisco disse esta quarta-feira ter-se comovido com a solidez da fé no Santuário de Fátima durante a visita que realizou a 12 e 13 de maio, numa mensagem enviada a D. Manuel Clemente, cardeal-patriarca de Lisboa.

No Santuário de Nossa Senhora, comoveu-me a solidez da fé, a indómita esperança e a ardente caridade que anima o caminho humano e cristão daquele povo santo fiel de Deus, com destaque para o silêncio de um milhão de peregrinos unidos ao meu silêncio orante”, refere o Papa na mensagem enviada.

Na mesma missiva, o Papa acrescenta que ficou também comovido com “o mar de luz feito por um milhão de velas acesas na noite de vigília, a ovação elevada por dois milhões de mãos aos novos Santos Francisco e Jacinta e o acenar de lenços brancos à Branca Senhora por um milhão de corações felizes.

Dirigindo-se ao cardeal patriarca de Lisboa, aos outros bispos, aos sacerdotes, pessoas consagradas e fiéis leigos, Francisco faz um agradecimento pelo cuidado pastoral e espiritual com que as diversas dioceses se prepararam e estão a viver o centenário das Aparições de Fátima.

Francisco destaca em particular o facto de a imagem de Fátima visitar várias cidades e aldeias portugueses, de onde vieram “pessoas sem conta ´ver´ a Mãe do Céu”.

Asseguro a minha oração pela Igreja de Portugal para que continue a caminhar com perseverança e coragem, testemunhando a todos o amor misericordioso do Pai do Céu. E vós todos... rezai também por mim, que de coração vos abençoo”, refere Francisco.

O Papa esteve em Fátima para presidir às cerimónias do centenário das "aparições" e à canonização de Jacinta e Francisco Marto, duas das crianças que em 1917 afirmaram ter visto Nossa Senhora na Cova de Iria.

Esta foi a sexta visita de um papa ao Santuário de Fátima. Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991 e 2000) e Bento XVI (2010) foram os anteriores pontífices a visitar Portugal.

Além de presidir às cerimónias do Centenário das Aparições, o papa, que chegou a Portugal no dia 12 de maio à Base Aérea de Monte Real, no concelho de Leiria, teve encontros com o Presidente da República e o primeiro-ministro, participou na bênção das velas e almoçou com os bispos portugueses.

Nas intervenções que fez em Fátima, Francisco deixou apelos à paz e à concórdia e lembrou os excluídos da sociedade e todos os que sofrem em consequência dos conflitos em vários países do mundo.