O Papa Francisco afirmou este domingo que a corrupção "cria dependência" e gera "pobreza, exploração e sofrimento", durante a oração do Angelus no palácio apostólico na praça de São Pedro.

Francisco dedicou a sua reflexão às diferenças "entre dois estilos de vida contrapostos: o mundano e o do Evangelho".

Explicou que se tem de escolher entre dois caminhos "a honestidade e a desonestidade, a fidelidade e a infidelidade, o egoísmo e o altruísmo, o bem e o mal" e que não se pode "oscilar entre um e o outro".

Sobre o estilo de vida mundano, Francisco citou a corrupção, que disse que é como uma droga "que se pode usar e deixar quando se decide", mas advertiu que no entanto "produz dependência e gera pobreza, exploração e sofrimento".

A corrupção, adiantou, "constitui o caminho mais enganoso, o do pecado, ainda que seja o mais fácil de percorrer".

Francisco recordou que o Evangelho pede um estilo de vida "sério e comprometido, mas também cheio de alegria, que se baseia na honestidade, em ser correto, no respeito pelos outros e pela sua dignidade e no sentido do dever".

"Esta é a astúcia cristã", assegurou.

Francisco pediu então que os fiéis possam "escolher o caminho justo e encontrem o valor para ir contracorrente para seguir Jesus e o seu Evangelho".