O papa Francisco atacou hoje, na homília diária na casa de Santa Marta, «a deusa da corrupção» e sublinhou que a dignidade vem do trabalho honesto, diário, e não de um caminho mais fácil.

Na eucaristia diária, que celebra na casa de Santa Marta onde reside no Vaticano, o papa disse: «hoje devemos rezar por muitas crianças e jovens que recebem dos pais um pão sujo. Eles também têm fome, têm fome de dignidade».

«Começa-se talvez com um pequeno envelope, mas é como a droga, e o hábito dos subornos transforma-se num vício», declarou Francisco.

Os filhos de um administrador desonesto «talvez estejam inscritos em escolas caras, criados em meios cultos», mas receberam «a impureza» do pai, que «perdeu a dignidade» ao não trabalhar honestamente, disse o papa, pedindo orações por estas crianças «famintas de dignidade».

Francisco referiu-se aos «administradores de empresas, administradores públicos, alguns administradores do governo«, mesmo que não sejam «talvez numerosos».