O papa celebrou hoje em português a missa de ação de graças ao santo José de Anchieta, canonizado a 03 de abril, declarando que a causa da santidade do «Apóstolo do Brasil» foi «não temer a alegria».

Francisco explicou que o santo, nascido em Tenerife, nas Canárias, foi um exemplo dessa alegria, fruto da «força de atração dos discípulos de Jesus».

O papa sublinhou que era isso precisamente que Anchieta ensinava, a «sua alegria», que «para nós deve ser uma herança».

A missa foi celebrada em Roma, na Igreja de Santo Inácio de Loyola, um lugar simbólico, já que o espanhol Inácio de Loyola foi o fundador da Companhia de Jesus, ordem religiosa a que pertenciam Anchieta e o próprio papa.

Estiveram presentes na cerimónia fiéis, religiosos e autoridades, tanto de Espanha como do Brasil, entre os quais, o vice-Presidente brasileiro, Michel Temer.

O próprio Francisco assinou o decreto para a canonização de Anchieta (1534-1597), graças à chamada «canonização equivalente», que não necessita de milagres e é feita por reconhecimento do fervor popular.

José de Anchieta - que ainda muito novo foi estudar para Portugal e onde entrou para a Companhia de Jesus - é conhecido como o «Apóstolo do Brasil», pelo seu trabalho evangelizador e humanitário, sobretudo com os índios, que protegia da violência e escravidão.

É venerado especialmente em São Paulo, a maior cidade brasileira, tendo sido um dos seus fundadores.