O papa Francisco assinou na quinta-feira o decreto que autoriza a canonização da madre Teresa de Calcutá, que vai subir aos altares como santa em setembro, informou o diário católico Avvenire. O Vaticano já veio a público confirmar a informação.
 

"O Santo Padre autorizou a Congregação para a Causa dos Santos a promulgar os decretos relativos ao milagre atribuído intercessão da bem-aventurada Teresa de Calcutá”, refere o Vaticano num comunicado divulgado, esta sexta-feira.


O jornal informou que a canonização da beata Teresa de Calcutá será pública em fevereiro, durante o Consistório ordinário, e que será feita santa a 4 de setembro de 2016, no âmbito do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia.

A sua canonização acontece depois de a Igreja Católica ter aprovado por unanimidade a “cura extraordinária” de um homem brasileiro em 2008, que se encontrava em fase terminal por graves problemas cerebrais.

O milagre terá acontecido em setembro de 2008, quando o homem estava em coma e era para ser operado, mas quando os médicos voltaram ao quarto o doente estava acordado e aparentemente curado. Depois de vários testes, o paciente continuou a não mostrar quaisquer sintomas da presença da doença de que antes padecia.

O responsável pelo caso no hospital disse que nunca tinha visto um caso deste tipo durante as décadas em que exerceu. De acordo com o El Mundo, a família explicou que durante o coma do homem rezaram muito a madre Teresa de Calcutá.

Madre Teresa , cujo nome era Agnes Gonxha Bojaxhiu , nasceu em 20 de agosto de 1910 em Skopje , capital da atual República da Macedónia. Fundou a Ordem das Missionárias da Caridade, para zelar pelos pobres e desfavorecidos. 

Em 1979, ganhou o Prémio Nobel da Paz, pelo trabalho humanitário que desenvolveu em vida.