O papa Francisco convidou este domingo os jovens a procurar a fé para combater o «veneno do vazio que se insinua nas atuais sociedades baseadas no proveito e no possuir» e que os ilude «com o consumismo».

O papa, que falava durante a oração do Angelus perante uma numerosa assistência na praça de São Pedro, em Roma, recordou as recentes Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) do Rio de Janeiro, esperando que os jovens ali presentes possam «traduzir aquela experiência no seu caminho quotidiano, no seu comportamento diário e que também a possam traduzir nas decisões importantes da vida, respondendo à chamada pessoal do Senhor».

O papa quis agradecer o esforço a todos aqueles que participaram nas JMJ e na organização das mesmas e numa passagem improvisada do discurso, assegurou que não esquece o «caloroso» acolhimento que recebeu no Brasil, que considerou «um povo generoso», de «grande coração» e de «boas pessoas».

O líder da Igreja Católica advertiu que os jovens «são especialmente sensíveis ao vazio de significado e de valores que com frequência os rodeia e do qual, por desgraça, pagam as consequências».

Francisco sublinhou na forma como o Evangelho deste domingo acentua precisamente «o absurdo de basear a própria felicidade» nas possessões materiais.

«A verdadeira riqueza é o amor de Deus partilhado com os nossos irmãos», disse.

Depois da oração do Angelus, o papa agradeceu a todos os fiéis que acudiram ao Vaticano «apesar do calor» e desejou-lhes como é habitual um bom domingo, adiantando «um bom mês de agosto».