O Presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou esta terça-feira que a revelação de que poderosos líderes políticos internacionais e homens de negócios esconderam dinheiro em empresas de fachada demonstra que a fuga aos impostos é um problema global.

Segundo Obama, as pessoas e empresas ricas estão “a enganar o sistema”, fazendo uso de lacunas na legislação tributária a que a maioria dos contribuintes não tem acesso.

Para o Presidente dos Estados Unidos, as empresas do país que se aliam a empresas estrangeiras só para reduzir as suas obrigações tributárias não estão “a pagar a sua parte” por beneficiarem da economia norte-americana.

A fuga aos impostos é um grande problema global", disse Obama, dias depois de uma fuga de informação de um escritório de advogados do Panamá ter revelado que dezenas de milhares de empresas poderão ter sido usadas para esconder rendimentos. "Não é caso único dos outros países, porque também há pessoas na América que estão a retirar benefícios da mesma coisa. Grande parte daquilo é ilegal – esse é o problema", observou.

Obama falava no dia após o departamento do Tesouro ter tornado mais rígidas as regras contra acordos de "inversão" de impostos, em que empresas norte-americanas se fundem com companhias estrangeiras para mudar a sua morada oficial para um 'offshore' – embora não as suas operações nos Estados Unidos – para evitar pagar impostos no país.

Tais jogadas – como uma aliança pendente de 160 mil milhões de dólares entre as gigantes farmacêuticas Pfizer e Allergan – exploram alçapões na legislação que permitem às empresas "furtar-se a pagar a sua justa parte de impostos no país" onde estão sediadas, disse Obama.

Abdicam da nacionalidade e declaram que estão sediadas noutro sítio. Obtêm todas as vantagens de serem empresas norte-americanas sem cumprirem as obrigações de pagar os seus impostos, como toda a gente tem de fazer", frisou. "Deixam-nos a pagar a conta. Isso faz com que os cidadãos norte-americanos que trabalham arduamente sintam que o jogo está viciado contra eles", acrescentou.

O chefe de Estado apelou ao Congresso para tomar medidas de alteração da legislação tributária para eliminar as lacunas que permitem tão flagrantes manobras de evasão fiscal.