Uma jovem palestiniana de 19 anos, estudante universitária, foi atingida a tiro por um soldado israelita, num posto de controlo na cidade de Hebron, terça-feira de manhã. A jovem acabou por não resistir aos ferimentos e morreu, no mesmo dia, durante a tarde.

Um porta-voz do exército israelita veio explicar que “a atacante tentou esfaquear o soldado” e que este respondeu com munição, em direção “aos membros inferiores”.


Mas, segundo a Al Jazeera, que divulgou imagens do momento em que a rapariga estava frente ao soldado no posto de controlo, esta foi atingida com vários tiros, incluindo a zona do peito.

O soldado não ficou ferido no incidente, escreve ainda a mesma fonte.

Em declarações à Al Jazeera, Issa Amro, residente em Hebron e coordenador do grupo de ativistas Youth Against Settlements, a jovem chamava-se Hadeel Salah al-Hashlamon e tinha 19 anos.

“Agora há mais soldados espalhados pela cidade”, diz Issa Amro, acrescentando que tem havido vários “confrontos entre jovens e soldados por toda a cidade”.


Além das fotos, surgiram também vários vídeos que parecem contradizer as explicações do exército. Foi dito que após o incidente a jovem foi transferida para um hospital, mas algumas imagens divulgadas por agências de notícias locais, a PalMedia e a Shehab News, revelam que a jovem foi arrastada pelo chão, por soldados, e ainda esperou bastante tempo por ajuda.

As imagens podem impressionar os telespetadores mais sensíveis.










Foram também divulgadas, nas redes sociais, outras fotografias do momento em que a jovem está junto ao soldado.

 
Números revelados pelas Nações Unidas, indicam que desde o início de 2015, contando com mais esta vítima, 25 palestinianos foram mortos pelas forças de segurança israelitas.