Israel libertou na madrugada desta terça-feira 26 presos palestinianos que cumpriam pena por crimes ocorridos antes do processo de paz de Oslo, em 1993, segundo fontes dos serviços prisionais israelitas.

Dos prisioneiros libertados, três regressaram a Gaza, cinco permaneceram em Jerusalém e os restantes foram entregues à Autoridade Palestiniana (AP), que lhes preparou uma receção oficial em Ramallah, juntando cerca de mil pessoas.

Em Ramallah, e depois de uma visita ao mausoléu onde se encontra o ex-líder da Palestina Yasser Arafat, o presidente da AP, Mahmud Abbas, prometeu que só assinará um acordo de paz com Israel se Telavive se comprometer a libertar todos os prisioneiros palestinianos.