Uma fotografia que mostra dois palestinianos a proteger uma polícia israelita que estava a ser apedrejada, durante um confronto na zona de Aish Kodesh, na Cisjordânia.

O conflito começou quando alguns judeus israelitas tentaram impedir um grupo de agricultores palestinianos de trabalhar nas propriedades agrícolas da zona, atirando-lhes pedras. O grupo considerou a presença dos palestinianos uma afronta, uma vez que a região é ocupada por Israel.

As Forças de Defesa Israelitas tentaram apaziguar os dois grupos, mas acabaram por se ver envolvidas no meio do confronto, sendo também apedrejadas.

Ao testemunhar a situação, dois homens colocaram-se à frente de uma agente, para a proteger. O fotógrafo Shaul Golan, do jornal israelita Yedioth Ahronoth, tirou uma foto do momento, que foi depois partilhada no Twitter e se tornou viral.
 

 “No meio deste caos todo, vi uma agente da polícia. Ela estava muito assustada. Ela estava abandonada no campo e os seus intitulados inimigos estavam a protegê-la. Eu soube logo que era um momento especial”, disse o fotógrafo, em entrevista ao The Times of Israel.


Um dos homens que aparece na foto é Zakaria Sadah, originário da Palestina e membro da associação Rabinos pelos Direitos Humanos, uma organização para a proteção dos direitos humanos que atua na região.

Os dois homens escoltaram a agente para junto dos seus colegas, gritando durante todo o percurso “não disparem, estamos a protege-la”. Alguns palestinianos estão agora a acusá-los de serem traidores.

“Há algumas pessoas que estão a escrever contra mim nos meios sociais palestinianos, dizendo que sou um traidor porque ajudei uma agente israelita. Por outro lado, vejo que alguns colonos me estão a atacar. Por isso é como se estivesse sobre fogo dos dois lados. Para mim, uma pessoa é uma pessoa. A vida de uma pessoa é importante. Eu protegi tanto a vida de uma polícia como vidas palestinianas. Ambas são importantes para mim e vou continuar o meu ativismo pacífico”, disse Zakaria.