O Governo italiano decretou esta quinta-feira o estado de emergência devido ao sismo registado na quarta-feira no centro de Itália e aprovou um primeiro pacote de ajudas no valor de 50 milhões de euros, bem como a suspensão da  cobrança de impostos aos habitantes das áreas devastadas, anunciou o primeiro-ministro, Matteo Renzi.

De acordo com a Reuters, no final da reunião do Conselho de Ministros e em declarações aos jornalistas, Matteo Renzi manifestou a “profunda emoção” pelo impacto do sismo, que provocou a morte a pelo menos 250 pessoas, de acordo com os últimos dados oficiais, que são ainda provisórios.

O sismo teve uma magnitude de seis graus na escala de Richter e as equipas de resgate tentam em várias localidades encontrar sobreviventes.

“Temos de pensar na reconstrução, temos uma obrigação moral com as mulheres e homens daquela comunidade”, afirmou o chefe do Executivo italiano.

Matteo Renzi salientou que devolver a normalidade às localidades afetadas vai ser a “prioridade do Governo e do país”.

“Somos os melhores do mundo quando se trata de gerir emergências, mas isso não é suficiente", defendeu. "Temos de mudar a nossa mentalidade. Precisamos de um novo modelo de desenvolvimento, mas também de prevenção”, acrescentou.

O primeiro-ministro também disse que, apesar dos mortos, o número de vítimas resgatadas com vida é a “mais alta da história dos últimos terramotos, com 215 pessoas”.